Como obter capital de giro pela metade do custo dos grandes bancos

Capital de Giro

CAPITAL DE GIRO: Matéria Atualizada para o primeiro semestre de 2014. 

Fonte: Relatório Interno Ruston SF

(visite a Ruston SF:  www.rustonsf.com )

Com as constantes altas da taxa selic, os juros para capital de giro foram catapultados para uma esfera impagável. Se por um lado ter o suporte do banco é vital, por outro lado ter um suporte errado é fatal. Acompanhe a matéria exclusiva.

“Crise na Criméia, desaceleração da economia americana, problemas na Venezuela, escândalos no Brasil, Copa, Eleições, o que tudo isso tem a ver com seu negócio? – A resposta é única: TUDO.

Os juros baixam quando a economia sinaliza estar indo bem, porém com sinais de alerta, e fuga de investidores, o governo precisa aumentar a Selic para atrair capital estrangeiro, ou melhor, impedir que esse capital evapore. Com isso, os bancos, quase todos, aumentam também as taxas de juros de seus produtos, e como reflexo final, você que lê esta matéria, acaba sofrendo.

Selecionamos sete grandes bancos, que você e todos os outros brasileiros conhecem muito bem, e avaliamos o custo e as condições para se obter o capital de giro, e descobrimos que ele não apenas subiu, como o mercado banqueiro reduziu prazos, reduziu limites, e se tornou mais exigente com as garantias. Pegando o valor médio do capital de giro, somando todos os bancos, e dividindo pelo número de bancos incluidos na conta, chegamos à média aritmética simples de dois ponto cinco porcento ao mês. Ou seja, 2.5% ao mês equivale a 30% ao ano, isso parece normal, na verdade, o brasileiro ainda não entende o que é normal, comparando por exemplo essa taxa anual com a Austrália, essa taxa de juros equivale a 7 anos de juros no país dos cangurus.

Se um empresário tem uma margem de lucro liquida de 20%, já não pode mais se dar ao luxo de usar esse dinheiro. Vai perder 10% do que tinha e não vai pagar o banco. Por isso a Ruston SF pesquisou muito e tentou emendar uma solução, e conseguiu.

Segundo André Ruston, fundador da Ruston SF, dentre mais de 287 bancos no país, existe apenas um que conseguiu fugir desse custo, e faz isso com muita enfase, enquanto todos cobram 30% ou mais, esse banco oferece capital de giro a 15% ao ano, que é quase o custo de uma financiamento imobiliário.

André explica:

Ainda não é  a Austrália, mas se você pensar que mais de 99% dos bancos subiram o capital de giro para 30% ao ano ou mais, um banco que assume cobrar 15% ao ano, é um colírio nos olhos do empresário.

 

André ainda explica que com essa linha, o empresário poderá não apenas fazer uma operação nova, como quitar operações existentes, e nisso há um trunfo fantástico: ” Se o empresário está conseguindo pagar capital de giro com 30% de juros ao nao, ao quitar e trocar por um capital de giro com 15%, ele irá ter um lucro inesperado que, dependendo do volume da quitação, é suficiente para pagar sua folha de pagamento, ou mesmo abrir um novo negócio.

Se alguém tiver mais interesse de conhecer essa linha, André convida o leitor a visitar o site oficial da Ruston SF, e lá irá encontrar os detalhes dessa operação.

A REDAÇÃO

Ruston SF, melhor que banco, é serviço financeiro.

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s